sábado, 8 de fevereiro de 2014

Resenha: As Crônicas de Nárnia - C. S. Lewis

Resenhista: Nilzete
Tema: Fantasia



Título Original: The Complete Chronicles of Narnia
Traduҫão: Paulo Mendes Campos e Silêda Steuernagel
Editora: Martins Fontes
Publicaҫão: 2009
Páginas: 751

Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal - o que mais um leitor poderia querer de um livro? O livro que tem tudo isso é O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, escrito em 1949 por Clive Staples Lewis. Mas Lewis não parou por aí, seis outros livros vieram depois e, juntos, ficaram conhecidos como As crônicas de Nárnia. Nos últimos cinquenta anos, As crônicas de Nárniatranscenderam o gênero da fantasia para se tornar parte do cânone da literatura clássica. Cada um dos sete livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações. Esta edição apresenta todas as sete crônicas integralmente, num único volume magnífico. Os livros são apresentados de acordo com a ordem de preferência de Lewis, cada capítulo com uma ilustração do artista original, Pauline Baynes. Enganosamente simples e direta, As crônicas de Nárnia continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades, mesmo cinquenta anos após terem sido publicadas pela primeira vez.

Apesar de ser um livro feito para criança/adolescentes, foi um livro que me agradou demais. Mesmo odiando ler crônicas, gostei de cada uma das histórias criadas pelo autor para entreter seus filhos.
As histórias são independentes porém, de alguma maneira, acabam se interligando, seja na referência a alguns personagens ou acontecimentos passados.
Uma coisa que eu achei bem interessante é que, em todas as sete histórias, tem sempre algum tipo de viagem, seja através do guarda-roupa, de anéis mágicos, pelo quadro de um barco navegando, ou pelo sopro de um leão. Sim, são viagens bem criativas.

“O que aqui se conta aconteceu há muitos anos, quando vovô ainda era menino. É uma história da maior importância, pois explica como comeҫaramas idas e vindas entre o nosso mundo e a terra de Nárnia.”
Página 11

Aslam é o leão que fala e ele é, pelo menos, citado em todas as histórias. Os quatro irmãos, personagens principais de O Leão, a Feiticeira e o guarda-roupa (a segunda história) vão aparecendo em outras histórias também. Aliás, essa foi minha história preferida.
É interessante conhecer histórias escritas há 65 anos atrás e ver como, quando uma história é boa de verdade, parece que o tempo não é nada. Esse é o tipo de leitura que auqler criança, adolescente ou adulto deve fazer. A imaginação do autor foi maravilhosa. Se hoje em dia temos tantos livros distópicos, criando um mundo fictício, ou livros cheios de seres fantásticos, naquela época, C. S. Lewis, com certeza foi inovador.
Pra quem não quer ler o livro todo de uma vez, pode ir lendo as histórias por partes. Mesmo porque, sendo elas independentes, você não vai ficar perdido ao passar para a próxima leitura. Mas a dica é ler na ordem da preferência do autor mesmo.
O livro é grande, mas cada página vale ser lida.
Com certeza, esse será um livro que manterei comigo para, sempre que tiver vontade, ir relendo as histórias calmamente.
Mais do que indicado. Leitura necessária!

Nenhum comentário:

Postar um comentário